25 de Abril – Liberdade e Educação

Tinha seis anos no dia 25 de abril de 1974. A minha avó fazia anos, por isso a festa foi mais bonita com as lágrimas a bailarem nos olhos e ela a sorrir, dizendo “É o dia mais feliz da minha vida!”. Para mim, um dia inesquecível e quente de memórias.

Vivi esse tempo com emoção e cresci nele, alimentando a esperança na palavra LIBERDADE, nas portas que abria. A grande porta, para mim, foi a educação. Na escola primária de Estoi, tudo se transfigurava e os cravos coloridos pelas crianças substituíram os sisudos retratos que nos vigiam nas impolutas batas brancas. Mais tarde, conheci o Professor Amílcar Quaresma, mentor e fundador dos Jograis António Aleixo, Grupo Desportivo e Cultural de Estoi.

Foi numa tarde que entrei para os ensaios no grupo de teatro infantil. Foi a descoberta das palavras, da poesia, do teatro. Descobri o sentido da minha vida, entre a rigorosa severidade e um humor desconcertante do inspirador e memorável Professor Amílcar Quaresma. Descobri que o sentido da liberdade é a educação.

 Amílcar Quaresma foi professor aqui, na antiga Escola Industrial e Comercial de Faro, fundou vários jornais, entre eles “O Jogral” e o “Açoteia”, mais tarde foi meu professor de Jornalismo na Escola Secundária João de Deus, onde fundou o “Preto no Branco”.

 Na coincidência dos factos e das datas, imortalizam-se aqueles que nos dão os caminhos da vida, pois a liberdade do 25 de abril é também a conquista e o valor da educação que hoje partilho e delego aos meus alunos.

Dulce Baião
24 de abril de 2019

As imagens deste artigo são de um programa da RTP transmitido a 27 de junho de 1978, onde estão  a autora, quando criança, e o professor Amílcar Quaresma.

Leave A Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *