A crónica do Doutor Viriato. Reunir a Campanha.

Republicamos, aqui, um dos artigos da etc 2 (2013) que refletia sobre a criação dos megaagrupamantos.

O meu pai, paz à sua alma, era um homem do norte. Nasci no Algarve mas o meu pai deixou-me no nome – Viriato – a marca beirã. Não a nego mas o corpo carente de calor e mar lembra-me a todo o momento a minha origem – o Sul. Vivi e formei-me na capital e iniciei a minha vida de professor nos subúrbios do Rossio. Nunca me habituei às bichas, aos gangues ou ao cheiro das bifanas. Voltei ao Sul na década de noventa do século passado e aprendi o tempo outra vez: os segundos não existem; os minutos são como a moeda fraca de países longínquos – fazemos as contas por alto; as horas são longas no inverno e brevíssimas no verão; os meses são de dois tipos, os bons, a maioria, e os maus, Fevereiro e pouco mais; os anos são contados a partir do próximo verão. Enquanto dava umas aulas e reaprendia estas evidências, professores doutorados em universidades públicas e políticos mestrados em privadas, foram laboriosamente construindo um labiríntico e burocrático pesadelo sustentado por alucinadas teses baseadas em maus resumos de teorias do século dezanove a que pomposamente chamaram de Sistema Educativo. Os autores desta insana obra contaram com o apoio, activo ou por omissão, do igualmente alucinado Sistema Legal e, para calar de vez qualquer objecção racional, criaram uma variante linguística, herdada do politicamente correcto, que tomou o nome de “eduquês”. O “eduquês” constituiu-se como uma autêntica cultura e não se limitou, como o “economês”, à adopção de anglicismos e galicismos e à criação de truísmos – subverteu os conceitos já consolidados: saber equivale a opinião; ensino passou a sensibilização; autoridade significa autoritarismo; homem é menino; menino é criança e respeito é uma saudação rap. As escolas, inundadas de despachos, normas e portarias lá foram “implementando” a nova “cultura” da forma que já lhes é habitual: com iguais doses de boas intenções e ineficácia. E ainda bem, pois se aos mandantes as boas intenções proporcionaram um sono descansado, a mim a sua ineficácia proporcionou-me um fim de carreira com alguma sanidade mental. Vai longa e sombria a introdução mas o motivo desta crónica é de júbilo: o agrupamento da Tomás Cabreira com escolas circundantes. Os que me conhecem estranharão esta alegria. ¿Pois não dizia serem os “megaagrupamentos” mais uma forma de transformar a autonomia em dependência e seguidismo? ¿Não dizia que, ao forçarem a mobilidade dos docentes pelos vários ciclos de ensino, eram mais um passo na criação do professor/funcionário ao qual apenas compete saber ensinar o que não sabe? Passo a explicar! Continuo a pensar isso e muito mais mas, recentemente, ao ver no mapa a localização geográfica do agrupamento Tomás Cabreira apercebi-me de um facto de grande importância geoestratégica: é o agrupamento mais a Sul de Portugal continental! Foi uma autêntica epifania. Aquele pequeno território com terras, sapal e ilhas seria a ponta da lança do Meridiem Maximo (O Grande Sul). Daqui podíamos partir para a reconstrução da grande nação Cónia*.

* Os cónios foram os habitantes das actuais regiões do Algarve e Baixo Alentejo, em data anterior ao século VIII a.C., até serem integrados na província romana primeiro da Hispânia Ulterior e posteriormente da Lusitânia. Vários vestígios arqueológicos descobertos no Baixo Alentejo e no Algarve testemunham a existência de uma civilização detentora de uma avançada escrita semisilabária adoptada antes do contacto com os fenícios.


Sem o querer o ministério do ensino/ aprendizagem fornecia-nos a semente da verdadeira autonomia. Iniciei de imediato os contactos com verdadeiros Algarvios e turistas amigos do Sul e encetámos a elaboração de um documento fundador de um novo paradigma cultural e educacional. Este documento, a apresentar a toda a comunidade educativa, está em elaboração mas não resisto a, de imediato, divulgar algumas das nossas propostas. Em primeiro lugar, o nome. Embora apreciemos o notável tavirense que foi Tomás Cabreira, consideramos que devemos homenagear a escola que nos coloca mais a sul que Sagres: a escola da Culatra. Assim, propomos o nome de Agrupamento da Culatra e Norte Adjacente. A sede do agrupamento será, simbolicamente, atribuída à escola da Culatra onde será colocada a bandeira do agrupamento. Na bandeira, a criar, deverá figurar um símbolo inequívoco da nossa identidade. O assunto está em debate mas a mucharrinha lidera as preferências. Em segundo lugar o território. Embora fosse pacífico delimitar o perímetro – a poente o largo de S. Francisco, a norte a rua de Mouzinho de Albuquerque, a nascente uma rua que ninguém sabia o nome ali pró Chalé das Canas e a sul o Farol – foi mais problemático o método de assinalar a fronteira. A proposta de construção de uma paliçada foi recusada por ser pouco prática. Em estudo. Em terceiro lugar, a Constituição. Numa primeira fase este documento estará contido no Projecto Educativo que, pela primeira vez, será um documento relevante. Com o aprofundar da autonomia poderemos, mais tarde, aspirar a outros voos. As propostas em cima da mesa incluem imediatas alterações aos curricula das diferentes disciplinas com a inclusão de conteúdos relevantes para uma verdadeira cultura sulista.


Durante o próximo ano lectivo impõe-se um intenso trabalho por parte dos professores mais experientes e qualificados na criação e certificação de novas disciplinas que, de forma pragmática, recolham os saberes informais que são a ancestral cultura e sustento das populações que o agrupamento deverá servir: o Inglês de Praia, o Alemão de Esplanada, a Arte da Redinha, a Tecnologia da Murejona, a Pesca Desportiva, o Mergulho e todas as variantes do Surf, foram algumas das propostas. Em quarto lugar surge o Código Civil que será, temporariamente, contido no Regulamento Interno. Diz o bom senso que a natureza detalhada e prática deste documento impõe que a sua execução deve ser efectuada por quem está no terreno e conhece de perto as actividades que regulamenta. Assim, decidimos, neste capítulo, chamar a atenção para a composição do órgão que o elabora – o Conselho Geral. Além dos professores, funcionários, alunos, pais e representante autárquico, é de extrema importância incluir representantes da Comunidade Local capazes de entender e melhorar esta nova realidade. Parece-nos indispensável a presença do Ginásio Clube Naval, a Associação de Viveiristas e Mariscadores da Ria Formosa, a Polícia Marítima, os Transportes Fluviais da Ria Formosa (há que estabelecer um passe para estudantes) e o Clube dos Amadores de Pesca de Faro entre outros. Vários Algarvios e turistas residentes ainda no activo e presentes nas reuniões disponibilizaram-se para integrar uma lista candidata ao novo Conselho Geral. Neste órgão, o único de eleição nas escolas, pugnarão para que as ideias aqui expostas sejam concretizadas. Apenas alguns exemplos de assuntos a abordar no próximo Regulamento Interno: – acabar de vez com a denominação “turma”. O termo aplicava-se originalmente às unidades militares romanas constituídas por trinta cavaleiros. Em oposição a este marcial rigor numérico preferimos a “companha”. Aqui no Sul chamamos companha à tripulação de um barco. O seu número depende do tamanho da embarcação e do tipo de faina. Ora aí está;

 – o calendário escolar deverá ter em conta a temperatura – acima dos trinta graus as actividades lectivas serão realizadas na Culatra (a praia é muito extensa e acolherá com facilidade todo o agrupamento); – a lista de produtos presentes nas papelarias escolares deverá incluir fatos de banho, toalhas de praia, barbatanas, isco fresco e outros auxiliares didácticos necessários à nova realidade escolar; – a ementa das cantinas escolares deve ser, além de equilibrada para o corpo físico, um alimento para o espírito sulista. Assim impõe-se a inclusão regular de produtos do nosso espaço territorial: o lingueirão, a amêijoa, a conquilha e o berbigão (nos meses com r), o choco, a lula, a carcanhola, a boca e, claro, a mucharrinha. Despeço-me com amizade e termino reafirmando aquilo em que convictamente acredito: o Futuro começa no próximo Verão.

DOUTOR VIRIATO

Doutor

Leave A Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *